domingo, 16 de novembro de 2014

Ciclo de Seminários #2: "Café: o combustível do programador"


No dia 5 de Novembro, além da apresentação do Marcos, Igor Natanael, também integrante do PET Computação, trouxe um tema muito comum na vida dos profissionais da computação: Café. Em uma apresentação sobre a milenar bebida dos podemos descobrir juntos um pouco sobre a história do seu consumo, variedades, impacto na saúde e cultura dos programadores.


Ao longo da apresentação foi falado sobre os primórdios do cultivo da planta na África Ocidental, sua passagem pelo oriente médio até chegar à Europa que a levou até às Américas. Ainda hoje o café tem uma importância comercial muito acentuada, representando o segundo produto mais exportado do mundo, ficando atrás apenas do petróleo no ranking. O tópico sobre os impactos na saúde foi um dos mais movimentados, onde foram expostas algumas pesquisas que abordavam os efeitos maléficos e benéficos da cafeína e das demais substâncias presentes no café, na saúde mental e física do humanos.

Em uma fase mais descontraída e interativa da apresentação, fora apresentado alguns mitos e verdades sobre o café, sua origem e seus efeitos, e dada a oportunidades dos ouvintes tentarem deduzir se tratavam-se de mitos ou verdades. Entre esses mitos e verdades, os que causaram maior surpresa foram a origem alguns dos grãos mais caros do mundo provenientes de fezes e cuspe de animais e o efeito alucinógeno do café em grandes quantidades. O público teve bastante identificação com o tema, o que solidifica ainda mais a cultura cafeeira entre os programadores. Vocês podem acessar o link da apresentação aqui.

Lembrem-se: café, o combustível de um programador, deve ser consumido em quantidades aceitáveis que, generalizando, estão entre 3~4 copos por dia. Não exagerem, mas também não manerem no néctar dos deuses.