terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Resolução de problemas e desapego



Apesar de trabalhar com ensino à relativamente pouco tempo, atuando como petiano, mais precisamente na atividade de monitoria das disciplinas de Matemática Discreta e Laboratório do Programação 1, ambas do curso de Computação da UFCG, foi possível aprender bastante e principalmente entender algumas nuances do processo de aprendizagem dos alunos que muitas vezes passam despercebidos.
Uma das características que mais me chama a atenção é a habilidade rever a solução do seu problema e recomeçar do zero, quando necessário. Seja em um problema lógico-matemático ou ao escrever um programa esta é uma aptidão aparentemente trivial, mas que, quando dominada os estudantes conseguem resolver com mais eficiência as questões apresentadas.
Antes de mais nada é substancial compreender o processo de resolução de problemas - em específico, os computacionais, que são resolvidos através de algoritmos, mas o conceito pode ser facilmente expandido para outras situações dentro e fora da Computação.
Este processo pode ser dividido nas seguintes etapas:
  • Interpretação - Trata de ler o problema e interpretá-lo a fim de extrair o máximo de informações relevantes.
  • Planejamento - Etapa em que são idealizadas diversas abordagens para resolver a questão e ponderados os prós e contras, escolher a que mais se adéqua a situação.
  • Implementação - Momento em que é escrito um algoritmo a partir da estratégia de solução escolhida no panejamento
  • Testes - A solução implementada é verificada para que seja capaz de resolver todas as possíveis situações do problema, aqui são evidenciadas as falhas que ocorreram nas outras etapas.
O mais importante e uma das primeiras coisas que aprendemos no curso de Computação é que este é um processo cíclico, assim sendo, pode (em geral deve) ser percorrido várias vezes. No entanto, alguns, tendem a esquecer isto, tentando chegar direto à implementação sem fazer testes suficientemente corretos, mesmo quando a solução não dá certo, querem consertá-la ainda na implementação.
Este é um erro muito comum nos períodos iniciais do curso, que acaba prejudicando consideravelmente o a desempenho dos alunos, ocorre que, algumas vezes a abordagem para resolver o problema não está correta ou não é a mais eficiente, por isso que o desapego quanto seu algoritmo e a competência de observar o quesito de uma forma diferente são tão importantes.

Aceitar que o seu método de resolução não é o mais eficiente ou que sua estratégia simplesmente não é capaz de resolver o problema e ser capaz de buscar novas abordagens é um enorme indicador de maturidade dentro do curso e demonstra a flexibilidade do aluno e o permite progredir como resolvedor de problemas.

Acesse estes e outros temas tratados no PET Computação aqui.